Pular para o conteúdo principal

É tempo de receber um novo maio…


É tempo de passagem



Maio é meu aniversário, do Meus queridos Carlos Alberto e da Maria Julia!


O vento cortas os seres pelo meio,
Só um desejo de nitidez ampara o mundo…
Faz sol. Fez chuva. E a ventania
Esparrama os trombones das nuvens no azul.
(…) Mário de Andrade,
Momento (abril de 1937)

Enfim, aconteceu maio há pouco quando eu fui olhar lá para fora e percebi aquele cenário esbranquiçado. É outono por aqui segundo o calendário, mas eu confesso que ainda penso nas cores da primavera quando penso em maio que pra mim segue sendo o mês das trovoadas que irrompe o céu da minha mente com seus versos, palavras tantas, histórias muitas, silêncios máximos, vontades mínimas e prazos.
E quando eu falo em trovoadas, não falo apenas das que acontecem nos céus, entre nuvens. Falo também daquelas que irrompem em meu íntimo, fazendo ferver o sangue – deixando inquieta a pele, a mente e a alma…
Maio me leva para dentro de mim, por isso digo com frequência que é tempo de “sentir maio”…
Dias de ficar mais tempo na cama olhando para o branco do teto confeccionando notas mentais. Taças de vinho. Xícaras de chá. Envelopes. Livros de Jane Austen. Versos de Fernando Pessoa. Diálogos lentos em mesas de café. Idas às livrarias. Bancos de praças…
Ainda não escolhi os livros que irão comigo para dentro dos dias de maio, mas já sei, desde já como serão os dias de maio, a começar por hoje: uma xícara de chá. Um passeio pelo bairro. Versos de Campos e as linhas de meu diário para o qual dei o nome de “desenhando sombras no que resta da noite” que por enquanto é apenas um pequeno conjunto de rascunhos escritos ao longo dos últimos meses. Tudo folha solta, sem orientação alguma dizendo coisas minhas…
Eu tenho feito isso nos últimos tempos: escrito sem a preocupação de fazer sentido. Orientar-se. Gostei da proposta que me foi feita durante as aulas na USP. Escrever apenas, sem o compromisso do olhar, do sentir alheio. Apenas para mim. E depois que tudo se acomoda, seja numa gaveta ou num baú – eu vou até lá, no meio de uma tarde qualquer e me esparramo. Pronto. É a vez de ser o olhar alheio…
Enfim, maio me pede dias inteiros. Metáforas longas – me deixa a deriva e envia um barco para me trazer para a terra firme. É realidade. Imaginário. Ponte entre mundos. É tudo isso e também é a certeza de que serão dias curtos – noites longas. Algumas horas pela metade. Outras inteiras. Serei eu à sombra. O outro junto a mim. O cão com seu olhar em movimento. Os livros pelos cantos da casa. O corpo junto ao lençol e a certeza da monotonia.
Eu sou uma pessoa monótona e que gosta de ser assim… Sou sozinha também. Sou esquisita. Diferente. Gosto da noite. Da parede branca. Das sombras e da mesa na qual vou espalhando meus caminhos. Minha mesa tem esquinas, ruas, calçadas, portões e um calendário imaginário onde a palavra maio diz com sua voz aveludada certos versos de Eliot que eu sei desde sempre são para uma vida inteira…
(…)
Ninguém chega a ser um nesta cidade,
As pombas se agarram nos arranha-céus, faz chuva.
Faz frio. E faz angústia… É este vento violento
Que arrebenta dos grotões da terra humana
Exigindo céu, paz e alguma primavera.
Mário de Andrade,
Momento (abril de 1937)

Postagens mais visitadas deste blog

AS 21 BÊNÇÃOS PRODUZIDAS NO JEJUM DE DANIEL

Nova perspectiva inicio hoje. Gratidão pela consciência.  Quarta feira de cinzas. Inicio de tempo de meditação e retiro espiritual. Deserto Interior.

Atualmente existem livros e livros falando de 40 dias de deserto, de meditações... Mas quem me conhece a mais de década sabe que já organizei meditações para 40 dias de jejum e como foi publicado em 1999, tenho como "provar" que não é por modismo que estou iniciando meu deserto 2015 hoje. Estou reeditando a forma e talvez os textos... Quero me colocar em deserto interno e meditar com profundidade e vou fazer isso buscando o que Daniel também buscou a tantos milhares de anos. Sim desta vez farei o jejum de Daniel de 21 dias.
O conceito de um jejum de Daniel vem de Daniel 1:8-14: "Mas, Daniel decidiu não contaminar-se e pediu permissão para não ingerir as comidas reais. Foi atendido.
O que tinha acontecido é que Daniel e seus três amigos haviam sido "deportados" para a Babilônia, quando Nabucodonosor e os babilônios…

Pessoa especial em um dia especial: Maria Julia

Existem “pessoas mágicas” em todos os lugares ao nosso redor. Elas são aquelas com as quais você conhece a felicidade, aquelas te ajudam a voar, brilhar e caminham contigo. São as pessoas com as quais você compartilha a cumplicidade, aquelas que um gesto, ato ou palavra simplesmente mudam seu estado de espirito. Tem um dom especial de transmutar as coisas, essas pessoas magicas pela sua presença alquímica, muitas vezes criam as condições favoráveis para que você possa aliviar  as agruras da sua jornada.
Há pessoas mágicas. Eu juro, já as vejo em varios lugares. Elas estão escondidas em todos os cantos do planeta. Disfarçadas como normais. Ocultando sua maneira especial de ser. Elas tentam se comportar como os outros. Entretanto, às vezes é muito difícil identificá-las. Mas, quando você as descobre, não há como esquecer. ” – Autor desconhecido

Quando li este texto, automaticamente pensei em você Maria Júlia, pessoa especialmente “mágica” que convivo diariamente. 
Você me desafia a evoluir…

Se com as cores do mundo colorir vai desta terra usufruir

Assisti no Animal Planet reportagem sobre o cerrado brasileiro sobre a parceria que existe entre os animais: as formigas cortadeiras, os lobos guarás, tamanduás...

Cada um respeita o ciclo e assim todos vivem bem. Quando o ser humano chegou e arrancou os cupinzeiros os formigueiros para plantar soja alterou essa parceria.
Precisamos repensar a intervenção que estamos fazendo da vida no planeta????
Se pensas que esta Terra lhe pertence? Se crê que só gente é seu semelhante... Vc tem muito que aprender...