Pular para o conteúdo principal

A INFORMAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA E SUA LEI DE ACESSO

Profa. Edmeire C. Pereira
Departamento de Ciência e Gestão da Informação da Universidade Federal do Paraná
Curitiba-PR/Brasil

O Brasil possui uma avançada legislação ambiental, a partir de seu Código das Águas (Decreto 24.643, de 10/07/1934) até à instituição de sua Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei n. 12.305, de 02/08/2010). BARBIERI (2012, p.350-352), relaciona algumas das leis federais brasileiras importantes desse período.
Em quase 80 anos de evolução na legislação ambiental, o país, também, se preocupou com a Informação Ambiental. Para BARROS (2000, p.33), esta é concebida como aquela relativa aos “aspectos atinentes ao universo da informação e documentação no campo da ecologia”.

Desde a primeira Conferência Internacional da ONU sobre Meio Ambiente, em Estocolmo/Suécia, em 1972, que o tema Ecologia ganhou mais divulgação, saindo da esfera somente dos especialistas, e sendo debatido, também, pelas pessoas comuns. Essa, é uma das conclusões de BARROS (2000, p.46), sobre “um dos fatores importantes para a passagem da ciência ecológica, produzida por especialistas, para a consciência ecológica (...)”.
Em 1981, o país aprovou a sua Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação (Lei n. 6.938, de 31/08/1981), que foi regulamentada pelo Decreto 99.274, de 06/06/1990. Esta Lei inclui a criação do SISNAMA – Sistema Nacional do Meio Ambiente.
Mais adiante, em meados de 1989, é aprovada a Portaria IBAMA n. 1.066, de 01/11/89.
Desse período em diante, o terreno estava fértil para o surgimento da Lei de Acesso à Informação Ambiental, que se tornou uma realidade em 16/04/2003, com a aprovação da Lei n. 10.650 que “Dispõe sobre o acesso público aos dados e informações existentes nos órgãos e entidades integrantes do SISNAMA”.
Trata-se de uma lei federal, com apenas 10 artigos, e assinada pelo então Presidente da República – Luiz Inácio Lula da Silva, pela Ministra do Meio Ambiente - Marina Silva e Álvaro A. R. da Costa.
O primeiro artigo trata do acesso público de dados e informações de órgãos integrantes do SISNAMA.
O segundo artigo trata da obrigação destes órgãos do SISNAMA em prover o acesso de dados ou informações, a quem os solicitar, quer sejam: documentos, expedientes ou processos administrativos, em quaisquer suportes.
O terceiro artigo trata da exigência da prestação periódica de qualquer tipo de informação, por parte das entidades privadas.
O quarto artigo trata da publicização em Diário Oficial dos dados e informações, além de recomendar que os órgãos do SISNAMA mantenham listagens e relações contendo dados sobre diversas questões ambientais importantes.
O quinto artigo trata do recurso hierárquico, que poderá acontecer e terá o prazo de 15 dias, para se interpor.
Os artigos 6. e 7. foram vetados.
O oitavo artigo trata dos relatórios anuais sobre a qualidade do ar, água etc.
O nono artigo evidencia a necessidade de pagamento de custas da informação fornecida por órgão público. Refere-se ao recolhimento do valor correspondente ao ressarcimento de recursos dispendidos pelo órgão, em nível federal, estadual ou municipal.
Por fim, o décimo artigo é sobre o prazo para a Lei entrar em vigor no país, qual seja, de 45 dias após a data de sua publicação.
Cumpre-nos salientar os conteúdos dos artigos 2 e 4, mencionados acima. Porque o artigo 2 especifica quais são as informações que podem ser acessadas por todos e o artigo 4, especifica que tipo de documento deve ser mantido nos órgãos do SISNAMA, para eventuais consultas públicas.

Então, referente ao artigo 2, os órgãos do SISNAMA deverão prover o acesso das seguintes informações:
I – qualidade do meio ambiente;
II – políticas, planos e programas potencialmente causadores de impactos ambientais;
III – resultados de monitoramentos e auditorias nos sistemas de controle de poluição e de atividades potencialmente poluidoras, bem como de planos e ações de recuperação de áreas degradadas;
IV – acidentes, situações de risco ou de emergências ambientais;
V – emissão de efluentes líquidos e gasosos e produção de resíduos sólidos;
VI – substâncias tóxicas e perigosas;
VII – diversidade biológica;
VIII – organismos geneticamente modificados (OGM).
Quanto ao artigo 4, os órgãos do SISNAMA deverão deixar disponíveis em suas entidades as listagens ou relações de dados sobre:
I – pedidos de licenciamentos, suas renovações e respectivas concessões;
II – pedidos e licenças para supressão de vegetação;
III – autos de infrações e respectivas penalidades impostas pelos órgãos ambientais;
IV – lavratura de termos de compromisso de ajustamentos de condutas;
V – reincidências em infrações ambientais;
VI – recursos interpostos em processos administrativos ambientais e respectivas decisões;
VII – registro de apresentação de estudos de impacto ambiental e sua aprovação ou rejeição.

Acreditamos que, com esses esclarecimentos, a população fique melhor informada de seus direitos e deveres para com as informações ambientais. Ao contrário, da celeuma da atual Lei de Acesso à Informação, que está provocando reviravoltas na disseminação dos salários do funcionalismo público federal, estadual, municipal... pois há quem entenda que a Lei obriga a sua divulgação e há quem entenda que não... Um bom exemplo já fora dado pela Presidente da República – Dilma Rousseff, que divulgou o seu salário à população!

Referências:

BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 3.ed. São Paulo: saraiva, 2012. p.350-352.
BARROS, A. T. de. A SBPC e a informação ambiental no Brasil: o papel da revista Ciência Hoje. Transinformação, Campinas, v.12, n.1, p.31-47, jan./jun. 2000.
BRASIL. LEIS, DECRETOS. Lei n. 10.650, de 16 de abril de 2003. Dispõe sobre o acesso público aos dados e informações existentes nos órgãos e entidades integrantes do SISNAMA.

Postagens mais visitadas deste blog

AS 21 BÊNÇÃOS PRODUZIDAS NO JEJUM DE DANIEL

Nova perspectiva inicio hoje. Gratidão pela consciência.  Quarta feira de cinzas. Inicio de tempo de meditação e retiro espiritual. Deserto Interior.

Atualmente existem livros e livros falando de 40 dias de deserto, de meditações... Mas quem me conhece a mais de década sabe que já organizei meditações para 40 dias de jejum e como foi publicado em 1999, tenho como "provar" que não é por modismo que estou iniciando meu deserto 2015 hoje. Estou reeditando a forma e talvez os textos... Quero me colocar em deserto interno e meditar com profundidade e vou fazer isso buscando o que Daniel também buscou a tantos milhares de anos. Sim desta vez farei o jejum de Daniel de 21 dias.
O conceito de um jejum de Daniel vem de Daniel 1:8-14: "Mas, Daniel decidiu não contaminar-se e pediu permissão para não ingerir as comidas reais. Foi atendido.
O que tinha acontecido é que Daniel e seus três amigos haviam sido "deportados" para a Babilônia, quando Nabucodonosor e os babilônios…

Pessoa especial em um dia especial: Maria Julia

Existem “pessoas mágicas” em todos os lugares ao nosso redor. Elas são aquelas com as quais você conhece a felicidade, aquelas te ajudam a voar, brilhar e caminham contigo. São as pessoas com as quais você compartilha a cumplicidade, aquelas que um gesto, ato ou palavra simplesmente mudam seu estado de espirito. Tem um dom especial de transmutar as coisas, essas pessoas magicas pela sua presença alquímica, muitas vezes criam as condições favoráveis para que você possa aliviar  as agruras da sua jornada.
Há pessoas mágicas. Eu juro, já as vejo em varios lugares. Elas estão escondidas em todos os cantos do planeta. Disfarçadas como normais. Ocultando sua maneira especial de ser. Elas tentam se comportar como os outros. Entretanto, às vezes é muito difícil identificá-las. Mas, quando você as descobre, não há como esquecer. ” – Autor desconhecido

Quando li este texto, automaticamente pensei em você Maria Júlia, pessoa especialmente “mágica” que convivo diariamente. 
Você me desafia a evoluir…

Se com as cores do mundo colorir vai desta terra usufruir

Assisti no Animal Planet reportagem sobre o cerrado brasileiro sobre a parceria que existe entre os animais: as formigas cortadeiras, os lobos guarás, tamanduás...

Cada um respeita o ciclo e assim todos vivem bem. Quando o ser humano chegou e arrancou os cupinzeiros os formigueiros para plantar soja alterou essa parceria.
Precisamos repensar a intervenção que estamos fazendo da vida no planeta????
Se pensas que esta Terra lhe pertence? Se crê que só gente é seu semelhante... Vc tem muito que aprender...