Pular para o conteúdo principal

PIB X FIB: O QUE NOS FAZ FELIZ?




Profa. Edmeire C. Pereira

Departamento de Ciência e Gestão da Informação da Universidade Federal do Paraná
Curitiba/PR - Brasil

O Curso de Bacharelado em Gestão da Informação da UFPR dispõe em sua grade curricular de uma disciplina semestral optativa intitulada Tópicos Especiais em Gestão da Informação (SIN-140). Por se tratar de uma disciplina não obrigatória aos alunos, cada professor que a assume imprime a sua “marca” com algum assunto de sua especialidade. Nesse ano de 2012, no primeiro semestre, assumimos tal disciplina, com o enfoque da Informação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável, devido ao nosso envolvimento com essas questões por ocasião da criação do Laboratório de Ecossocioeconomia (Ecolab), com o Prof. Dr. Blas E. Caballero Nunes, junto ao Setor de Ciências Sociais Aplicadas da referida Universidade, no período de 2005 a 2010.
Tal disciplina tem por objetivo geral “Estimular nos acadêmicos a criação de projetos de Informação e Sustentabilidade Ambiental e Digital, para que tenham uma oportunidade de unir conhecimentos teórico-práticos de Gestão Estratégica da Informação com Desenvolvimento Sustentável”.
De acordo com esse objetivo geral, foram formulados dez objetivos específicos, que os alunos deverão alcançar ao término da disciplina. Todos esses objetivos estão centrados em dois grandes blocos de conteúdos: 1- noções sobre desenvolvimento sustentável; 2- noções sobre gestão estratégica da informação ambiental. O objetivo específico de número dois, visa que os alunos venham a “reconhecer os diferentes  indicadores de geração de renda das economias dos países, de conformidade com os objetivos que se têm: mensuração da produtividade (PIB); qualidade de vida (IDH); bem-estar econômico (IBE); pegada ecológica; Índice Dow Jones de Sustentabilidade, etc.
Como se vê, existe uma infinidade de indicadores, para medir as mais variadas coisas. Neste texto, trataremos em especial, de um indicador social bastante interessante denominado FIB – Felicidade Interna Bruta.

O FIB surgiu das ideias de um jovem rei do Butão, em 1972, que declarou: “A felicidade interna bruta é mais importante do que o produto interno bruto!”. Esse pensamento holístico se espalhou pelo mundo e foi adotado pelo PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, como um interessante indicador socioeconômico, que já se preocupava àquela época, com a questão da sustentabilidade ambiental.

Para aquele povo o Desenvolvimento da nação devia estar associado com a Felicidade das pessoas, por entender que esta não deveria estar associada somente com bens materiais e também, com bens espirituais e até emocionais.
Mas, o que é, então, Felicidade, nessa perspectiva holística, onde o todo é mais importante, do que as partes? É ter mais sentimentos positivos, do que negativos, num período de longo prazo.
 Ou, como na visão de CHRISTY (2008), é combater os cinco “mitos da felicidade”, a saber: “não há felicidade duradoura, somente momentos felizes”; “atingir esse estado de imperturbabilidade emocional é impossível”; “para se atingir esse estado de imperturbabilidade emocional é preciso tornar-se uma pessoa fria, sem emoções”; “a felicidade é condicional, pois não é feliz quem não tem emprego, quem está passando por dificuldades financeiras ou amorosas ou está enfrentando uma situação de traição profissional, enfim, se as situações externas forem demasiadamente negativas, simplesmente não há como se sentir feliz”; “a felicidade é diferente para cada pessoa”.
Enfim, para esta autora, a felicidade é sinônimo de “maturidade emocional” (www.vivacarpediem.com).

E, no caso dos países? Como ficam? Vejamos o caso do Brasil, que hoje, já é considerado como a sexta economia mundial, em termos de PIB – Produto Interno Bruto, que mede todas as riquezas do país. No entanto, não é preciso ir muito longe, para perceber que o Brasil não é um país feliz. Talvez, alegre, sim! Mas, feliz, ainda, não! Pois temos muitos problemas sociais para resolver, ainda... Inclusive, em pesquisa internacional sobre isso, o Brasil ficou em vigésimo quinto lugar como país feliz. O primeiro lugar foi para a Dinamarca. Portanto, temos muitas coisas para resolver, para nos tornarmos felizes ou, pelo menos, descobrir o que nos faz felizes? Estudiosos da FGV estão pesquisando isso, ou seja, o que faz os brasileiros felizes? (www.fgv.org.br).

O FIB está assentado em nove eixos principais e trinta e três indicadores. Seus eixos são: padrão de vida; bem-estar psicológico; educação; saúde; diversidade ecológica; boa governança; uso do tempo; diversidade cultural e vitalidade comunitária.  
Os objetivos principais do FIB são: atingir as políticas públicas e complementar os índices de IDH e GINI, que mede a desigualdade social. Ou seja, medir a satisfação e a qualidade de vida das pessoas, captando as suas aspirações e anseios de vida.
Enfim, cabe a todos os brasileiros definir com clareza o que é felicidade para a nossa gente, para a nossa cultura e cuidar de desenvolver os melhores indicadores para medi-la, posto que os pilares do FIB são: “a promoção de um desenvolvimento socioeconômico sustentável e igualitário; preservação e promoção de valores culturais; conservação do meio ambiente natural e estabelecimento de uma boa governança” (MIRANDA, 2012).

À propósito, caros leitores, o que me faz feliz no momento, não é nem PIB, nem FIB e sim, um bom quibe! Até à próxima semana...

Referências:
BHUTAN 2020.  A vision for peace, prosperity and happiness.  Bhutan: Royal Government of Bhutan: Planning Comission.  Disponível em: http://unpan1.un.org/ - Acesso em: 13/06/12.
CHRISTY, F.  Os mitos da felicidade: relatório julho de 2008.  Disponível em: HTTP://www.vivacarpediem.com  - Acesso em: 13/06/12.
MIRANDA, E. R. B. de.   FIB – Felicidade interna bruta: seminário.  Curitiba: UFPR/DECIGI, 2012. 15p.





           

Postagens mais visitadas deste blog

AS 21 BÊNÇÃOS PRODUZIDAS NO JEJUM DE DANIEL

Nova perspectiva inicio hoje. Gratidão pela consciência.  Quarta feira de cinzas. Inicio de tempo de meditação e retiro espiritual. Deserto Interior.

Atualmente existem livros e livros falando de 40 dias de deserto, de meditações... Mas quem me conhece a mais de década sabe que já organizei meditações para 40 dias de jejum e como foi publicado em 1999, tenho como "provar" que não é por modismo que estou iniciando meu deserto 2015 hoje. Estou reeditando a forma e talvez os textos... Quero me colocar em deserto interno e meditar com profundidade e vou fazer isso buscando o que Daniel também buscou a tantos milhares de anos. Sim desta vez farei o jejum de Daniel de 21 dias.
O conceito de um jejum de Daniel vem de Daniel 1:8-14: "Mas, Daniel decidiu não contaminar-se e pediu permissão para não ingerir as comidas reais. Foi atendido.
O que tinha acontecido é que Daniel e seus três amigos haviam sido "deportados" para a Babilônia, quando Nabucodonosor e os babilônios…

Pessoa especial em um dia especial: Maria Julia

Existem “pessoas mágicas” em todos os lugares ao nosso redor. Elas são aquelas com as quais você conhece a felicidade, aquelas te ajudam a voar, brilhar e caminham contigo. São as pessoas com as quais você compartilha a cumplicidade, aquelas que um gesto, ato ou palavra simplesmente mudam seu estado de espirito. Tem um dom especial de transmutar as coisas, essas pessoas magicas pela sua presença alquímica, muitas vezes criam as condições favoráveis para que você possa aliviar  as agruras da sua jornada.
Há pessoas mágicas. Eu juro, já as vejo em varios lugares. Elas estão escondidas em todos os cantos do planeta. Disfarçadas como normais. Ocultando sua maneira especial de ser. Elas tentam se comportar como os outros. Entretanto, às vezes é muito difícil identificá-las. Mas, quando você as descobre, não há como esquecer. ” – Autor desconhecido

Quando li este texto, automaticamente pensei em você Maria Júlia, pessoa especialmente “mágica” que convivo diariamente. 
Você me desafia a evoluir…

Se com as cores do mundo colorir vai desta terra usufruir

Assisti no Animal Planet reportagem sobre o cerrado brasileiro sobre a parceria que existe entre os animais: as formigas cortadeiras, os lobos guarás, tamanduás...

Cada um respeita o ciclo e assim todos vivem bem. Quando o ser humano chegou e arrancou os cupinzeiros os formigueiros para plantar soja alterou essa parceria.
Precisamos repensar a intervenção que estamos fazendo da vida no planeta????
Se pensas que esta Terra lhe pertence? Se crê que só gente é seu semelhante... Vc tem muito que aprender...