Pular para o conteúdo principal

GESTÃO AMBIENTAL E PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L)


Profa. Edmeire C. Pereira 



As informações a seguir, foram extraídas do excelente livro do Prof. Dr. José Carlos Barbieri, em seu quarto capítulo, específico para gestão ambiental empresarial, título homônimo da obra (BARBIERI, 2012, p.103-145). 


Como o seu livro aborda conceitos, modelos e instrumentos para a gestão ambiental de empresas, selecionamos um de seus modelos estudados, qual seja, a produção mais limpa (cleaner production) ou P+L, por entender que se trata de tema que interessa a todos os tipos de organizações e empresas, no tocante à racionalização de custos e qualidade de vida nos ambientes de trabalho e de produção.
O autor principia as suas discussões alertando-nos de que os Empresários e Administradores devem considerar cada vez mais o Meio Ambiente em suas decisões. Posto que, segundo ele, há três forças poderosas que influenciam isso: governo, sociedade e mercado e que “se não houvesse as pressões da sociedade e as medidas governamentais não haveria o envolvimento das empresas em matéria ambiental” (p.103). Enfim, segundo ele, os governos, a sociedade e os mercados influenciam as empresas, assim como, estas também, influenciam aqueles (p.106). 
A partir desse entendimento, o autor aborda as principais abordagens para a gestão ambiental empresarial, antes de explicitar os modelos em uso e situar a P+L. 
As abordagens citadas são: 1-Controle da poluição; 2-Prevenção da poluição; 3-Estratégica (p.107). 
Na primeira abordagem, a do controle da poluição, o autor nos diz que se trata de uma abordagem de postura reativa e insuficiente, adota práticas para impedir os efeitos da poluição gerada por determinado processo produtivo; usa “tecnologias-end-of-pipe” (p.107-110). 
Na segunda abordagem, a da prevenção da poluição, o autor nos diz que se trata de uma abordagem também reativa e proativa de minimização de resíduos, que atua sobre produtos e processos para reduzir ou eliminar os rejeitos na fonte. As tecnologias de controle neste caso são as do tipo “end-of-pipe” (p.110-113). 
Na terceira e última abordagem, a estratégica, o autor nos diz que essa abordagem busca uma situação vantajosa nos negócios atuais e futuros. Proporciona benefícios estratégicos, como a melhoria da imagem da empresa, dentre outros. O foco central desta abordagem está no ambiente de negócios da empresa, principalmente, o ambiente externo (p.113-117). 
Segundo o autor, as organizações complexas podem usar as três abordagens acima, de forma simultânea (p.117). 
Nesse ínterim, o autor nos faz uma comparação da evolução da gestão ambiental com a gestão da qualidade. Relembra que a gestão da qualidade passou pelas etapas de: Inspeção; Controle Estatístico; Garantia da Qualidade e Estratégica. E, de igual maneira, está ocorrendo o mesmo com a gestão ambiental: Caráter Corretivo; Controles de Poluição; Meios de Aumentar a Produtividade da Empresa, até se tornar Estratégica (p.118). 
Agora, o autor passa a nos elucidar um pouco mais sobre os modelos de gestão ambiental específico. Porque segundo ele, para implementar qualquer abordagem, a empresa precisa dispor de modelos. Mas, o que são modelos? Segundo o autor, são construções conceituais que orientam as atividades administrativas e operacionais para alcançar objetivos definidos. Podem ser: genéricos ou específicos. E, as empresas podem criá-los ou usar modelos já existentes (p.119-141). 

Os modelos de gestão ambiental específicos tratados no livro são de duas famílias, porém, não antagônicas: 
1-Administração da Qualidade Ambiental Total (TQEM); 
2-Produção Mais Limpa; 
3-Ecoeficiência; 
4-Projeto para o Meio Ambiente (ecodesign). 


Além destes modelos, o autor também aborda os modelos inspirados na natureza, tais como: 
1-Metabolismo Industrial; 
2-Ecologia Industrial; 
3-Simbiose Industrial. 

Como já dito anteriormente, vamos abordar neste mini texto, por hora, somente o modelo de P+L. Em outras ocasiões, voltaremos a nos reportar aos demais modelos. 
A Produção Mais Limpa (Cleaner Production) é um modelo baseado na abordagem preventiva aplicada a processos, produtos e serviços, para minimizar os impactos sobre o Meio Ambiente. 
Foi desenvolvida pelo PNUMA/ONU e ONUDI/UNIDO. Suas origens remontam à Conferência da ONU em Estocolmo, em 1972; com o conceito da época de Tecnologia Limpa (Clean Technology) e tinha três propósitos: 
1-lançar menos poluição no meio ambiente; 
2-gerar menos resíduos; 
3-consumir menos recursos naturais. 

Esse conceito de Tecnologia Limpa foi proposto na ocasião pela Comissão da Comunidade Econômica Européia, em 1970, e referia-se “a qualquer tecnologia que pudesse reduzir a poluição e economizar recursos”. 
Posteriormente, a ONUDI – Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial formulou o conceito de “Desenvolvimento Industrial Ecologicamente Sustentável” (DIES), ou seja, “modalidades de industrialização que promovem as vantagens econômicas e sociais das gerações presentes e futuras sem comprometer os processos ecológicos básicos” (p.125). 

Esse novo modelo deve atender aos seguintes critérios: usar com eficiência os recursos não renováveis; conservar os renováveis e não ultrapassar a capacidade do meio ambiente de assimilação de resíduos. 

A P+L no Seminário do PNUMA, em 1990, foi definida como: “uma abordagem de proteção ambiental ampla que considera todas as fases do processo de manufatura ou ciclo de vida do produto, com o objetivo de prevenir e minimizar os riscos para os seres humanos e o meio ambiente a curto e a longo prazos”. 
A P+L estabelece uma hierarquia de prioridades (sequência), segundo BARBIERI (2012): prevenção, redução, reuso e reciclagem, tratamento com recuperação de materiais e energia e disposição final. 
Portanto, para o autor, trata-se de uma abordagem compreensiva e preventiva para a proteção do meio ambiente e que requer algumas ações de: conservar energia e matéria-prima, eliminar substâncias tóxicas e reduzir os desperdícios e a poluição. 
Segundo o autor, o PNUMA adverte que há expressões similares a P+L, para as quais não há um consenso universal. 
Pela Declaração Internacional Sobre Produção Mais Limpa (PNUMA), a P+L deve ser entendida como “a aplicação contínua de uma estratégia preventiva integrada, envolvendo processos, produtos, serviços, a fim de alcançar benefícios econômicos, sociais, para a saúde humana e o meio ambiente”. 
A ONUDI é a Agência Executiva que coordena os Centros Nacionais de Produção Mais Limpa, em cinquenta países, inclusive, o Brasil. Em nosso país, é coordenado pelo Centro Nacional de Tecnologias Limpas do SENAI do Rio Grande do Sul (CNTL). Para este Centro, a P+L significa: “a aplicação contínua de uma estratégia econômica, ambiental e tecnológica integrada aos processos e produtos, a fim de aumentar a eficiência no uso de matérias-primas, água e energia, através da não geração, minimização ou reciclagem de resíduos gerados” (p.127). 
A redução na fonte é o nível 1 de prioridade máxima nos diferentes níveis da P+L. Ou seja, reduzir emissões e resíduos e eliminar ou reduzir a sua toxicidade. Já, na produção, as mudanças nos processos se realizam por meio de: boas práticas operacionais, substituição de materiais e mudanças nas tecnologias.

Referência:
BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial. In: ________. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 3.ed. São Paulo: Saraiva, 2012. 358p.; p.103-145. 

Departamento de Ciência e Gestão da Informação da Universidade Federal do Paraná 
Curitiba-PR/Brasil 


Postagens mais visitadas deste blog

AS 21 BÊNÇÃOS PRODUZIDAS NO JEJUM DE DANIEL

Nova perspectiva inicio hoje. Gratidão pela consciência.  Quarta feira de cinzas. Inicio de tempo de meditação e retiro espiritual. Deserto Interior.

Atualmente existem livros e livros falando de 40 dias de deserto, de meditações... Mas quem me conhece a mais de década sabe que já organizei meditações para 40 dias de jejum e como foi publicado em 1999, tenho como "provar" que não é por modismo que estou iniciando meu deserto 2015 hoje. Estou reeditando a forma e talvez os textos... Quero me colocar em deserto interno e meditar com profundidade e vou fazer isso buscando o que Daniel também buscou a tantos milhares de anos. Sim desta vez farei o jejum de Daniel de 21 dias.
O conceito de um jejum de Daniel vem de Daniel 1:8-14: "Mas, Daniel decidiu não contaminar-se e pediu permissão para não ingerir as comidas reais. Foi atendido.
O que tinha acontecido é que Daniel e seus três amigos haviam sido "deportados" para a Babilônia, quando Nabucodonosor e os babilônios…

Pessoa especial em um dia especial: Maria Julia

Existem “pessoas mágicas” em todos os lugares ao nosso redor. Elas são aquelas com as quais você conhece a felicidade, aquelas te ajudam a voar, brilhar e caminham contigo. São as pessoas com as quais você compartilha a cumplicidade, aquelas que um gesto, ato ou palavra simplesmente mudam seu estado de espirito. Tem um dom especial de transmutar as coisas, essas pessoas magicas pela sua presença alquímica, muitas vezes criam as condições favoráveis para que você possa aliviar  as agruras da sua jornada.
Há pessoas mágicas. Eu juro, já as vejo em varios lugares. Elas estão escondidas em todos os cantos do planeta. Disfarçadas como normais. Ocultando sua maneira especial de ser. Elas tentam se comportar como os outros. Entretanto, às vezes é muito difícil identificá-las. Mas, quando você as descobre, não há como esquecer. ” – Autor desconhecido

Quando li este texto, automaticamente pensei em você Maria Júlia, pessoa especialmente “mágica” que convivo diariamente. 
Você me desafia a evoluir…

Se com as cores do mundo colorir vai desta terra usufruir

Assisti no Animal Planet reportagem sobre o cerrado brasileiro sobre a parceria que existe entre os animais: as formigas cortadeiras, os lobos guarás, tamanduás...

Cada um respeita o ciclo e assim todos vivem bem. Quando o ser humano chegou e arrancou os cupinzeiros os formigueiros para plantar soja alterou essa parceria.
Precisamos repensar a intervenção que estamos fazendo da vida no planeta????
Se pensas que esta Terra lhe pertence? Se crê que só gente é seu semelhante... Vc tem muito que aprender...