Pular para o conteúdo principal

Abrir espaço para o NOVO...


Limpando a área

Quando a casa está entulhada de coisas, é hora de parar e pensar no que pode ser doado: desapegar é de lei


por Chantal Brissac 



Mas existem fases em que entramos pela porta de casa e a visão que se tem não é lá muito agradável. Coisas entulhadas sem serventia, acúmulo de papéis, peças que estão na prateleira há anos sem ser tocadas, livros que nem sequer foram abertos, roupas que nunca foram usadas. É o caso de questionar: será que perdemos a liga com a moradia ou é o nosso interior que anda meio perturbado? Podem ser as duas coisas, ou apenas uma delas, mas o importante é arregaçar as mangas e começar a agir. E saiba que boa parte do trabalho será feita em você: a faxina começa de dentro para fora. Não adianta empilhar mil e um objetos para doação se daqui a um mês uma nova e incrível leva estiver atravancando outra vez o seu ambiente.

O ciclo das coisas 
Comece devagar, pensando em cada item que você não usa e, portanto, não merece ficar ali parado, sem ser aproveitado. Tenha perto um saco ou uma caixa grande, de papelão, para ir colocando as peças que serão doadas. Lia Diskin, co-fundadora do centro de estudos filosóficos Palas Athena, lembra de um ciclo que costumamos subestimar: "Cada objeto tem sua trajetória e sua utilidade. Que direito temos de imobilizar todo esforço da natureza, da criatividade humana e da tecnologia para guardar uma coisa sem usá-la?" Assim, o sapato esquecido no armário teve, em seu ciclo, o couro do boi, que foi alimentado no pasto, molhado com a água da chuva. O livro fechado também passou por várias mãos antes de chegar à sua. Antes disso, veio da árvore, nutrida pelo solo e pelo sol. Quando alguém deixa um objeto sem uso, interrompe sua história natural.

Ah, mas e o prazer de guardar, de colecionar? Como ficam as coleções de ursinhos de pelúcia, curtidas desde a infância, os discos de vinil, as latinhas de cerveja garimpadas em cada canto do mundo, os pingüins da geladeira? Bom, isso já é um caso de paixão, de gosto pessoal, departamento em que não se toca sem permissão. Se essas coleções são vivas e não estão esquecidas, pode ser legal ficar mais um tempo com elas.

Mas até isso pede análise. Será que uma coletânea de discos teria melhor continuidade em um museu, onde várias pessoas poderiam ouvir as músicas? Você já pensou em reduzir sua coleção de preciosidades para um número mais sensato, e que sua casa pode abrigar? Só você pode responder.

Algumas pessoas encontraram jeitos particulares de lidar com o excesso. Lia Diskin, de novo, é exemplo. Tudo o que ela não movimenta num período de dois anos é doado. Podem ser livros, roupas, CDs, objetos de decoração, o que for. Sua biblioteca pessoal, hoje, não ultrapassa os 500 volumes. Para Lia, que possui meia dúzia de pares de sapatos - "Não preciso mais, só tenho dois pés" -, essas cinco centenas de livros são aquelas chamadas imprescindíveis, que ela está sempre a folhear e pesquisar.

Segundo o químico Flávio Maron Vichi, professor do Instituto de Química da USP, dois anos é realmente o tempo-limite para um livro sobreviver sem estragos. "Depois disso, ele começa a se e ganhar manchas, resultado da falta de oxigênio", diz. Outros objetos, como CDs, quadros e fotos, também precisam ser arejados constantemente. Além da limpeza, necessitam de ventilação, fundamental para evitar fungos. Portanto, faz todo sentido passar as coisas adiante se num determinado período - você pode adotar a política dos dois anos ou criar um prazo-limite só seu - não precisou delas para nada.

Loucas por sapatos 

Cada um possui suas prioridades. Se você tem algo em comum com a ex-primeira-dama filipina Imelda Marcos, que guardava em casa 3 mil pares de sapatos, prepare-se para mudar de espírito. Até ela teve de passar adiante - mesmo que à força, doando para um museu - seu fabuloso acervo de bicos e saltos. Há uma sensação deliciosa em se livrar de coisas que não têm utilidade. Primeiro, porque você, os outros, o ar e tudo mais passam a circular melhor. Assim, é óbvio, consegue-se pensar melhor, sentir-se melhor, viver melhor. Depois, você percebe que ganha tempo. Porque as coisas roubam seu tempo, sua atenção e seu dinheiro! Pare para pensar: os objetos também exigem cuidados. Alguém precisa limpar, organizar e manter. E esse é um jeito de se dispersar daquilo que realmente precisa ser feito, ou seja, as atividades mais importantes e/ou prazerosas. Por exemplo: tomar um banho demorado e gostoso, devorar os livros que se propõe ler e nunca consegue tirar da estante, escrever para os amigos, cozinhar, namorar, dormir. A empresária Joyce Teperman tem o hábito de fazer limpezas freqüentes em sua casa. Nenhuma área escapa de sua visão simplificadora: dos temperos da cozinha aos brinquedos do filho, tudo passa por varredura. Quem tem filhos pode atestar que essa é uma boa maneira de incutir parâmetros de consumo consciente e desapego. Convenhamos, é mesmo necessário ter uma dúzia de foguetes espaciais no quarto? Ou umas 20 bonecas com a mesma cara? O budismo diz que o apego pode nos asfixiar, especialmente quando a relação com os objetos é compulsiva, de pura posse. Nesse caso, há medo da perda, ciúme, insegurança e outros sentimentos espinhosos. Igualzinho ao apego neurótico à pessoa amada.


Postagens mais visitadas deste blog

AS 21 BÊNÇÃOS PRODUZIDAS NO JEJUM DE DANIEL

Nova perspectiva inicio hoje. Gratidão pela consciência.  Quarta feira de cinzas. Inicio de tempo de meditação e retiro espiritual. Deserto Interior.

Atualmente existem livros e livros falando de 40 dias de deserto, de meditações... Mas quem me conhece a mais de década sabe que já organizei meditações para 40 dias de jejum e como foi publicado em 1999, tenho como "provar" que não é por modismo que estou iniciando meu deserto 2015 hoje. Estou reeditando a forma e talvez os textos... Quero me colocar em deserto interno e meditar com profundidade e vou fazer isso buscando o que Daniel também buscou a tantos milhares de anos. Sim desta vez farei o jejum de Daniel de 21 dias.
O conceito de um jejum de Daniel vem de Daniel 1:8-14: "Mas, Daniel decidiu não contaminar-se e pediu permissão para não ingerir as comidas reais. Foi atendido.
O que tinha acontecido é que Daniel e seus três amigos haviam sido "deportados" para a Babilônia, quando Nabucodonosor e os babilônios…

Pessoa especial em um dia especial: Maria Julia

Existem “pessoas mágicas” em todos os lugares ao nosso redor. Elas são aquelas com as quais você conhece a felicidade, aquelas te ajudam a voar, brilhar e caminham contigo. São as pessoas com as quais você compartilha a cumplicidade, aquelas que um gesto, ato ou palavra simplesmente mudam seu estado de espirito. Tem um dom especial de transmutar as coisas, essas pessoas magicas pela sua presença alquímica, muitas vezes criam as condições favoráveis para que você possa aliviar  as agruras da sua jornada.
Há pessoas mágicas. Eu juro, já as vejo em varios lugares. Elas estão escondidas em todos os cantos do planeta. Disfarçadas como normais. Ocultando sua maneira especial de ser. Elas tentam se comportar como os outros. Entretanto, às vezes é muito difícil identificá-las. Mas, quando você as descobre, não há como esquecer. ” – Autor desconhecido

Quando li este texto, automaticamente pensei em você Maria Júlia, pessoa especialmente “mágica” que convivo diariamente. 
Você me desafia a evoluir…

Se com as cores do mundo colorir vai desta terra usufruir

Assisti no Animal Planet reportagem sobre o cerrado brasileiro sobre a parceria que existe entre os animais: as formigas cortadeiras, os lobos guarás, tamanduás...

Cada um respeita o ciclo e assim todos vivem bem. Quando o ser humano chegou e arrancou os cupinzeiros os formigueiros para plantar soja alterou essa parceria.
Precisamos repensar a intervenção que estamos fazendo da vida no planeta????
Se pensas que esta Terra lhe pertence? Se crê que só gente é seu semelhante... Vc tem muito que aprender...