Pular para o conteúdo principal
Saúde
com Maria Rita Michalski

Iniciamos hoje, uma caminhada por vários aspectos da CURA. Em uma linguagem acessível, para que os interessados possam conhecer melhor das opções e possibilidades regionais.
Vamos descobrir um pouquinho do que é homeopatia `num texto que foi publicado no jornal CORREIO LAGEANO na década de 90 em que eu escrevia semanalmente e neste texto com auxilio do Dr. Fernando Pagliosa.

HOMEOPATIA E CIÊNCIA
A Homeopatia é uma ciência médica com mais de 200 anos. Sistematizada por Samuel Hahnemann a partir de 1790, na Alemanha, propagou-se rapidamente pela Europa, e depois pelo resto do mundo, mercê dos resultados extraordinários que produzia, comparados aos da medicina oficial da época.
Proporcional ao seu sucesso perante a população, entretanto, foi a resistência enfrentada pela Homeopatia no meio médico e científico de então. Os combatentes mais implacáveis foram os boticários, os farmacêuticos daqueles tempos, pois a Homeopatia modificava significativamente a sua prática e, principalmente, atingia seus ganhos, até porque Hahnemann propunha que a pessoa mais indicada para preparar o medicamento era o próprio médico.
Perseguido, Hahnemann peregrinou por muitas cidades. Caluniado, achacado, passou por imensas dificuldades, ele e sua família, até ver seu mérito reconhecido.
Mais importante, contudo, do que relatar as dificuldades enfrentadas por seu fundador, talvez seja tentar compreender porque a Homeopatia enfrentou tanta resistência. Poderemos perceber que as questões básicas permanecem até nossos dias. E não dizem respeito, evidentemente, só à Homeopatia.
Baseada em princípios e regras que não eram as oficiais, embora admitida pelos grandes médicos da antigüidade, como Paracelso e até Galeno; com uma concepção de saúde/doença, portanto de vida ou, mesmo, de mundo, diversa da prevalente; com uma escala de valoração e mensuração dos seus resultados não compatível com os instrumentos disponíveis e considerados válidos, podia facilmente ser acusada de “não científica”.
A visão mecanicista, newtoniana da realidade e, por conseqüência, da própria ciência, predominante , impôs um modelo científico que admitia como verdadeiro apenas aquilo que pudesse ser medido, mensurado, comprovado materialmente. Um modelo extremamente reducionista.
Ora, a Homeopatia, com suas doses imponderais, suas diluições infinitesimais, sua concepção de que a origem primeira das doenças é endógena, a valorização dos distúrbios mentais/emocionais como desencadeantes de processos patológicos (muito antes de Freud e da medicina psicossomática), enfim sua maneira de entender o mundo e a própria vida, não se coadunava com a visão científica da época.
Epur, se mueve.” Apesar de tudo, a Homeopatia sobreviveu. Sobreviveu graças a alguns profissionais corajosos e abnegados. Sobreviveu, sobretudo e fundamentalmente, porque os seus resultados na clínica são inquestionáveis. Não fosse assim os homeopatas não teríamos pacientes. E a Homeopatia teria desaparecido, fosse ela uma quimera.
Mas, no meio científico, a situação é diferente hoje?
Sim e não.
Não. Porque continuamos presos ao arcabouço de pensamento criado pela ciência do início do século passado. As premissas, as teorias, os “modelos mentais” que utilizamos para ver a realidade ainda são, fundamentalmente, os mesmos. A visão mecanicista, darwinista, fragmentada da realidade ainda balisa a maioria da produção considerada cientificamente válida. Tudo o que não se encaixa no nosso modelo tradicional de pensamento é julgado como “estranho”, “esquisito”, “não faz sentido”, “não científico”.
Sim. Porque a ciência está mudando. Outro modo de entender o mundo, e a vida, está surgindo.
Novas teorias sobre a evolução e organização dos sistemas vivos, tem implicações filosóficas e sociais extraordinárias. Nas fronteiras do pensamento científico, social e filosófico, descobertas recentes fazem surgir uma nova linguagem da ciência, voltada para o entendimento e compreensão dos sistemas vivos, altamente complexos e integrativos. A constatação, pela ciência, dos interrelacionamentos e interdependências entre fenômenos físicos, biológicos, psicológicos, sociais e culturais permitem uma nova visão unificada de mente, matéria e vida.
Se, por um lado, o modelo mecanicista possibilitou um desenvolvimento técnico extraordinário da humanidade, por outro, é inegável que, dados os avanços recentes do conhecimento, ele já não dá conta deste novo entendimento dos fenômenos da vida.
Precisamos atualizar nossos referenciais, mudar nossa maneira de pensar, abrir mão do modelo de pensamento tradicional, buscar uma nova maneira de perceber o mundo em que vivemos e a própria vida. Este não é um processo fácil e nem rápido para a grande maioria das pessoas. Mas é imprescindível e inevitável. Como atualizar nossa forma de pensar e enxergar o mundo com base nesses novos conhecimentos que a ciência do limiar do século XXI está trazendo à tona é o grande desafio.
Das explicações das propriedades de organismos, sistemas sociais e ecossistemas surge um novo paradigma, integrado e integrador, interdependente, interdisciplinar, ecológico. A realidade surge muito mais complexa, mais sistêmica. Ela ultrapassa os nossos cinco sentidos, podendo ser invisível, inaudível, intocável. O intangível da vida.
Nesse novo modelo de ciência, tão mais abrangente e fascinante, a Homeopatia se encaixa com perfeição.

Postagens mais visitadas deste blog

AS 21 BÊNÇÃOS PRODUZIDAS NO JEJUM DE DANIEL

Nova perspectiva inicio hoje. Gratidão pela consciência.  Quarta feira de cinzas. Inicio de tempo de meditação e retiro espiritual. Deserto Interior.

Atualmente existem livros e livros falando de 40 dias de deserto, de meditações... Mas quem me conhece a mais de década sabe que já organizei meditações para 40 dias de jejum e como foi publicado em 1999, tenho como "provar" que não é por modismo que estou iniciando meu deserto 2015 hoje. Estou reeditando a forma e talvez os textos... Quero me colocar em deserto interno e meditar com profundidade e vou fazer isso buscando o que Daniel também buscou a tantos milhares de anos. Sim desta vez farei o jejum de Daniel de 21 dias.
O conceito de um jejum de Daniel vem de Daniel 1:8-14: "Mas, Daniel decidiu não contaminar-se e pediu permissão para não ingerir as comidas reais. Foi atendido.
O que tinha acontecido é que Daniel e seus três amigos haviam sido "deportados" para a Babilônia, quando Nabucodonosor e os babilônios…

Pessoa especial em um dia especial: Maria Julia

Existem “pessoas mágicas” em todos os lugares ao nosso redor. Elas são aquelas com as quais você conhece a felicidade, aquelas te ajudam a voar, brilhar e caminham contigo. São as pessoas com as quais você compartilha a cumplicidade, aquelas que um gesto, ato ou palavra simplesmente mudam seu estado de espirito. Tem um dom especial de transmutar as coisas, essas pessoas magicas pela sua presença alquímica, muitas vezes criam as condições favoráveis para que você possa aliviar  as agruras da sua jornada.
Há pessoas mágicas. Eu juro, já as vejo em varios lugares. Elas estão escondidas em todos os cantos do planeta. Disfarçadas como normais. Ocultando sua maneira especial de ser. Elas tentam se comportar como os outros. Entretanto, às vezes é muito difícil identificá-las. Mas, quando você as descobre, não há como esquecer. ” – Autor desconhecido

Quando li este texto, automaticamente pensei em você Maria Júlia, pessoa especialmente “mágica” que convivo diariamente. 
Você me desafia a evoluir…

Se com as cores do mundo colorir vai desta terra usufruir

Assisti no Animal Planet reportagem sobre o cerrado brasileiro sobre a parceria que existe entre os animais: as formigas cortadeiras, os lobos guarás, tamanduás...

Cada um respeita o ciclo e assim todos vivem bem. Quando o ser humano chegou e arrancou os cupinzeiros os formigueiros para plantar soja alterou essa parceria.
Precisamos repensar a intervenção que estamos fazendo da vida no planeta????
Se pensas que esta Terra lhe pertence? Se crê que só gente é seu semelhante... Vc tem muito que aprender...